26 de dez de 2011

luz.


Inda lembro, como se fosse agora. Dos caminhos tortos, dos pontos e das luzes quentes... Daquela gota d'água, escorrendo parabrisa à fora.
Inda lembro do silêncio macio; Cafuné aos ouvidos. Nada precisava ser, e nem era dito. Pleno. Simples. Assim.
Inda lembro daquele caminho, estou à fazê-lo agora... Minuto a minuto... Estrada do Sonho, à fora.

Nenhum comentário: