6 de jan de 2010

sem crise, ia.


e na finda hipo crise que, ia de polpa no vento,

no cruzear dos certos erros, atos falhos, passados no verde de um pasto esquecido...

me pego sorrindo.


e já dando dos ombros para qualquer crise, lixando as unhas matriarcáis do 'não ligar'...

me pego sorrindo.


e entre as tantas polpas sadias, vadias...

entre o rubor das janelas (da alma) na noite, adentro.


entre as verdades que nem tantas, que nem uma, capazes fomos de aguentar.

entre o terno, o fraterno, o eterno de um laço que tudo tem, menos sangue...


é no respeito, no fogo que me deito de face em meu leito.

é finda e finada, a crise que ia, aberto o olho...

fingia que não via.


estufo o peito, e sugo o ar rarefeito, comemoro de peito aberto.

hoje sem divisões.

hoje, todo mundo é certo.

3 comentários:

Thiago disse...

A cada dia que passa, você se torna mais surpreendente. Quem vê a baixinha da risada escandalosa, nem imagina a menina poeta que tem dentro dela. Cada dia uma surpresa maior! Gosto de você, guria.

Felipe Melo disse...

Direto eu me pego sorrindo também.
É um bobismo sem tamanho.
Vamos dar as mãos mesmo, Djés. É só o que nos resta. :/

MaHh disse...

Aiai...
Pq eu simplemente adoro ler tudo oq essa menina escreve...
Luv u!!!
=***