13 de jan de 2011

nada é


e por fim, não mais que de um repente,
afunda.
lento, aos poucos.

se não fosse tão atento,
se não fosse importante,
talvez nem perceberia.

e quando menos se espera,
o batido chão firme,
vira uma areia movediça,
que engole aos poucos,
a certeza que nunca existiu.

até quando?

até sufocar,
não suportar,
e até que aquela outra mão,
apareça pra salvar.

Um comentário:

Lí =] disse...

Nem preciso dizer que tá perfeito, certo? Vc escreve pela minha alma... Parece q é o sentimento de uma só, traduzido pelas palavras da outra.