2 de fev de 2011

ponto do fim


e, assim sublime
hoje me alimento da minha poesia

ela também me esvazia,
mas não me [im]põe um ponto final

Nenhum comentário: